Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:



Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Esta página Sua seleção Todas as referências (max. 300)
| |

Molecular characterization of Trypanosoma cruzi Mexican strains and their behavior in the mouse experimental model / Caracterização molecular de cepas mexicanas de Trypanosoma cruzi e seu comportamento no modelo experimental do camundongo

Gómez-Hernández, César; Rezende-Oliveira, Karine; Nascentes, Gabriel Antônio Nogueira; Batista, Lara Rocha; Kappel, Henrique Borges; Martinez-Ibarra, José Alejandro; Trujillo Contreras, Francisco; Lages-Silva, Eliane; Ramírez, Luis Eduardo.
Rev Soc Bras Med Trop; 44(6): 684-690, Nov.-Dec. 2011. ilus, graf, tab.
Artigo em Inglês | LILACS | ID: lil-611773

Resumo

INTRODUCTION: For a long time, the importance of Chagas disease in Mexico, where many regarded it as an exotic malady, was questioned. Considering the great genetic diversity among isolates of Trypanosoma cruzi, the importance of this biological characterization, and the paucity of information on the clinical and biological aspects of Chagas disease in Mexico, this study aimed to identify the molecular and biological characterization of Trypanosoma cruzi isolates from different endemic areas of this country, especially of the State of Jalisco. METHODS: Eight Mexican Trypanosoma cruzi strains were biologically and genetically characterized (PCR specific for Trypanosoma cruzi, multiplex-PCR, amplification of space no transcript of the genes of the mini-exon, amplification of polymorphic regions of the mini-exon, classification by amplification of intergenic regions of the spliced leader genes, RAPD - (random amplified polymorphic DNA). RESULTS: Two profiles of parasitaemia were observed, patent (peak parasitaemia of 4.6×10(6) to 10(7) parasites/mL) and subpatent. In addition, all isolates were able to infect 100 percent of the animals. The isolates mainly displayed tropism for striated (cardiac and skeletal) muscle. PCR amplification of the mini-exon gene classified the eight strains as TcI. The RAPD technique revealed intraspecies variation among isolates, distinguishing strains isolated from humans and triatomines and according to geographic origin. CONCLUSIONS: The Mexican T. cruzi strains are myotrophic and belong to group TcI.(AU)
INTRODUÇÃO: Durante muito tempo, foi questionada a importância da doença de Chagas no México onde muitos a consideravam um padecimento exótico. Considerando a grande diversidade genética existente, entre os isolados de Trypanosoma cruzi, a importância da caracterização biológica desses e o escasso número de informações sobre os aspectos clínicos e biológicos da doença de Chagas no México, o objetivo deste trabalho foi realizar a caracterização biológica e molecular de isolados de Trypanosoma cruzi originários de diferentes áreas endêmicas deste país, principalmente do Estado de Jalisco. MÉTODOS: Oito cepas mexicanas de Trypanosoma cruzi foram caracterizadas biologicamente e geneticamente (PCR específica para Trypanosoma cruzi, PCR-multiplex, amplificação do espaço não transcrito dos genes do mini-exon, amplificação das regiões polimórficas do gene do mini-exon, classificação pela amplificação de regiões intergênicas dos genes do spliced leader, RAPD - random amplified polymorphic DNA). RESULTADOS: Foram observados dois tipos de parasitemia: patente com picos máximos de parasitemia entre 4,6x10(6) e 10(7) parasitas/mL e subpatente. Além disso, todos os isolados foram capazes de infectar 100 por cento dos animais. Observou-se tropismo predominante pelo músculo estriado (cardíaco e esquelético). As técnicas de PCR do gene do mini-éxon classificaram as oito cepas como TcI e a técnica de RAPD mostrou variação intra-especifica das mesmas, separando as cepas isoladas de humanos daquelas de triatomíneos e por origem geográfica. CONCLUSÕES: As cepas mexicanas de Trypanosoma cruzi são miotrópicas e correspondem ao TcI.(AU)
Biblioteca responsável: BR1.1